Blog

NUPRI Working Papers

As redes sociais e o debate democrático

Yan Itaboraí da Silva

15/06/2021

Introdução

Todos os anos a internet alcança milhões de novos usuários. De acordo com o ITU, na década de 2009 a 2019 o número mais que dobrou: de 1.8 para 4 bilhões de usuários.1International Telecomunications Union, ITU. Disponível em: https://www.itu.int/en/ITU-D/Statistics/Pages/stat/default.aspx. Acesso em: 23 de abr. de 2021.  Isso apresenta um cenário de relevância cada vez maior da internet na sociedade como um todo.
Uma das atividades mais comuns a novos e antigos usuários são as redes sociais, que apresentam um crescimento paralelo à rede de uma forma geral. São 3.8 bilhões de usuários em 2020. Esses usuários se engajam em receber e enviar informações em um ritmo acelerado e fazem conexões não só baseadas em amizades prévias mas também em interesses em comum.
As possibilidades que advém dessa interação para a democracia são enormes, isso inclui consequências positivas e negativas. Trabalhos acadêmicos já apontaram como os debates políticos e grupos de descontentes nas redes sociais fomentaram o fenômeno político da primavera árabe, demonstrando o poder das redes em possíveis aberturas de governos autoritários (HOWARD et al, 2011). Por outro lado, Polyakova e Meserole chamam atenção para o uso das tecnologias digitais de forma autoritária por China e Rússia, alertando para a possível exportação desse modelo. (POLYAKOVA; MESEROLE, 2019).
Além disso, a dinâmica das redes é extremamente mutável e novas análises são necessárias a todo tempo. DeNardis e Hackl (2015) apontam como as redes sociais, através da influência que suas diretrizes têm sobre bilhões de usuários, podem ser efetivamente consideradas como atores fundamentais na discussão sobre governança da internet, assunto pouco debatido anteriormente. Segundo os autores: “…social media platform policies and technical design choices serve as a form of privatized governance directly enacting rights and regulating the flow of information online”. (DENARDIS; HACKL, 2015, p. 762.)
Através destes e outros autores buscamos dar nossa contribuição ao tema, trabalhando a partir da seguinte pergunta: de que forma as redes sociais afetam o debate democrático? Buscaremos os pontos positivos e negativos da nova realidade que se impõe onde essas plataformas se colocam cada vez mais na posição de serem as novas “praças públicas”. Nossa hipótese é de que essas empresas detêm um poder que vai além do meramente financeiro, afetando diretamente a forma como nos comunicamos, o que comunicamos e influenciando a democracia os sistemas políticos das nações.

Desenvolvimento

O advento das redes sociais, que permitiram o contato de bilhões de pessoas de diferentes nacionalidades, trouxe em um primeiro momento um otimismo muito grande em relação às possibilidades políticas trazidas pelo desenvolvimento dessas tecnologias.
No Brasil, os protestos massivos de 2013, cujas ligações com as redes sociais são exploradas por Machado e Miskolci (2019), tinham poucos precedentes históricos. Mendonça (2018) aponta como ficou demonstrado nesses movimentos uma demanda muito grande por efetiva participação popular na política, para além do mero voto, com efetiva vigilância ao poder público e promoção de igualdade. O clima no país era de novos tempos e de mudança política para melhor.
Apesar disso, o que se seguiu foi a polarização política, deterioração do debate público e permanência dos problemas levantados pelos manifestantes. Mencionando o período entre 2014 e 2016, o autor chega a dizer que “…em nome dela (a Democracia), sustenta-se um culto ao individualismo e à autoexpressão, cujas consequências são o apagamento da própria comunidade política” (MENDONÇA, 2018, p. 18).

Figura: Quadro sobre evolução da internet e polarização política no Brasil

Fonte: MACHADO e MIKOLSCI, 2019

Os usuários das redes sociais impulsionam diariamente toda uma gama de ideias, sentimentos e narrativas. Evidentemente, grupos extremistas podem se aproveitar disso para angariar seguidores, servindo do amplo alcance das redes para detectar possíveis pessoas influenciáveis. Ferrara (2017) aponta em sua pesquisa como a organização terrorista ISIS conseguiu angariar seguidores, e eventuais perpetradores de atos terroristas, dentro das fronteiras de países democráticos, fazendo uso da rede social Twitter. Outro caso aconteceu no Facebook, onde a plataforma foi utilizada para incitar violência contra a minoria muçulmana Rohingya em Myanmar.2STEVENSON, Alexandra, New York Times. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/11/06/technology/myanmar-facebook.html. Acesso em: 28 de abr. de 2021
De acordo com Conover et al (2011), as interações que vemos em redes sociais entre grupos políticos representam mais a afirmação de viéses pré-existentes que um efetivo diálogo. Tal fenômeno pode ser descrito como a “guerra de narrativas” onde um grupo tenta meramente se impor sobre o outro, buscando eliminar por completo a posição divergente sem qualquer concessão e muitas vezes atacando a posição do outro como cidadão.
Outro fator a ser apontado é a possível tendência à concentração de usuários em um número pequeno de redes sociais. Fjell et al (2010) apontam a lógica “winner takes all” pela qual essas redes operam, onde a presença de pessoas em uma rede atrai novos usuários sob o risco de serem excluídos. Apesar disso, uma vez estabelecida uma grande massa de usuários, existem efeitos que direcionam contra o monopólio: onde usuários buscam redes mais exclusivas que se tornam “modas”, muitas vezes influenciados por perfis específicos mais populares.
Notícias falsas e impulsionamento artificial de postagens e comentários são algumas das possíveis estratégias usadas por radicais, políticos e governos mal intencionados. Isso é preocupante, principalmente quando observamos o número de pessoas que usaram informações de internet e mídias sociais como principal meio para decidir o voto nas últimas eleições presidenciais no Brasil: 42,5%, ultrapassando até mesmo a TV.3Paraná Pesquisas. Disponível em: http://www.paranapesquisas.com.br/wp-content/uploads/2018/08/Meios-de-Comunica%C3%A7%C3% A3o.pdf. Acesso em: 29 de abr. de 2021.
Por último, cabe mencionar que governos frequentemente instrumentalizam as redes sociais para objetivos políticos. Isso pode incluir tanto o uso das redes no âmbito doméstico, para monitoramento ou manipulação da opinião pública, ou no âmbito externo, influenciando o público estrangeiro a respeito de algum assunto ou mesmo interferindo em processos políticos.
A China representa o mais evidente exemplo do primeiro caso: fechada para diversas redes privadas ocidentais, o tráfego de informações na internet da China passa por aplicativos monitorados e manipulados pelo governo como o WeChat, como demonstrado pela pesquisa de Ruan et al (2016). Os autores apontam não só a amplitude do sistema, como também sua constante sofisticação, mantendo os mecanismos de censura mas de forma a passar despercebido pelos usuários. Já no segundo caso, é exemplificado pelo famigerado caso da Rússia nas eleições americanas de 2016 — quando a Internet Research Agency (IRA) utilizou as redes sociais americanas para influenciar os eleitores e promover narrativas reacionárias — esse evento é documento por Howard et al (2019).

Conclusão

Dada a exposição que foi feita, pode-se afirmar que as redes sociais configuram uma parte crítica da discussão e do debate público contemporâneo. Sendo assim, é de interesse público entender como essas plataformas afetam o debate democrático. O advento da internet — e a expansão das redes sociais — talvez só encontrem paralelo histórico, em termos de propagação de ideias, na prensa de Gutenberg. O poder transformativo dessa tecnologia pode ser usado para expandir a participação democrática e melhorar a sociedade ou para fomentar a dissolução do tecido social e o conflito.
Casos como o de Myanmar demonstram como o alcance dessas plataformas já excedeu sua capacidade de estabelecer parâmetros para o tipo de informação que é compartilhada. Nesse sentido, as diretrizes e algoritmos estabelecidos das redes sociais podem direcionar as discussões de uma sociedade.
Do ponto de vista individual é de grande importância estar consciente dos vieses e das bolhas que se formam nas redes. A exposição constante a ataques a algum lado político ou grupo social ao longo de muito tempo pode afetar a percepção da realidade, transformando pessoas moderadas em radicais.
É essencial que as plataformas responsáveis pela gestão dessas redes sociais entendam o tamanho do seu papel na sociedade atual, definindo até que ponto devem responder pelo conteúdo de seus usuários e trabalhando contra o alcance de notícias falsas e de associações criminosas. A regulação desse tipo desse tipo de atividade é um debate extremamente difícil, e que precisa ser pautada de acordo com valores de pluralidade e levando em consideração todas as partes interessadas.
Apesar do apontado por Fjell et al (2010), sobre processos sociais que impediriam a formação de monopólios nas redes sociais, pode-se verificar hoje em dia que houve de fato uma concentração muito grande. As novas redes podem até ser adotadas por parte da juventude, mas não alcançam uma população mais ampla como o Facebook consegue.
Por último, os governos devem trabalhar para que haja transparência online (expondo dados da administração pública para acesso geral), acesso igualitário às redes (uma vez que tal acesso está se tornando parte do exercício de cidadania), proteção contra crimes cibernéticos e responsabilização para criadores intencionais de notícias falsas. Além disso, devem tomar parte no debate com as corporações que detém o controle dessas redes e com outros governos, estabelecendo os valores a serem zelados nas redes.
As redes sociais são uma realidade e sua influência no debate democrático é grande, sendo mais negativa que positiva até aqui. A mediação de indivíduos, empresas e governos para melhorar essa questão é urgente.

Referências

CONOVER, M., RATKIEWICZ, J., FRANSCISO, M., GONÇALVES, B., MENCZER, F., & FLAMMINI, A. (2011). Political Polarization on Twitter. Proceedings of the International AAAI Conference on Web and Social Media, 5(1). Disponível em: https://ojs.aaai.org/index.php/ICWSM/article/view/14126. Acesso em: 28 de abr. de 2021.

DENARDIS, Laura; HACKL, A.M. Internet governance by social media platforms. Telecommunications Policy , [s. l.], v. 39, ed. 9, p. 761-770, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0308596115000592?via%3Dihub. Acesso em: 22 abr. 2021.

FERRARA, E. (2017). Contagion dynamics of extremist propaganda in social networks. Information Sciences, volumes 418-419, p. 1–12. doi:10.1016/j.ins.2017.07.030.

FJELL, Kenneth; FOROS, Øystein; STEEN, Frode. The economics of social networks: The winner takes it all?. SNF, Bergen, Setembro 2010. Disponível em: https://openaccess.nhh.no/nhh-xmlui/handle/11250/166332. Acesso em: 27 abr. 2021.

HOWARD, Phillip N. et al. Opening Closed Regimes: What Was the Role of Social Media During the Arab Spring?. Project on Information Technology & Political Islam, [s. l.], 2011.

HOWARD, Philip N.; GANESH, Bharath; LIOTSIOU, Dimitra; KELLY, John; FRANÇOIS, Camille. The IRA, Social Media and Political Polarization in the United States, 2012-2018. Computational Propaganda Research Project, Outubro 2019.

MACHADO, Jorge; MISKOLCI, Richard. Das jornadas de junho à cruzada moral: o papel das redes sociais na polarização política brasileira. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, Set/Dez. 2019. Disponível em:  https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2238-38752019000300945&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 26 abr. 2021.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino. Dimensões democráticas nas jornadas de junho: reflexões sobre a compreensão de democracia entre manifestantes de 2013. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 33, ed. 98, 16 abr. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092018000300501&script=sci_arttext. Acesso em: 26 abr. 2021.

POLYAKOVA, Alina; MESEROLE, Chris. Exporting digital authoritarianism: The Russian and Chinese models. Foreign Policy, Brookings, 2019.

RUAN, Lotus; KNOCKEL, Jeffrey; NG, Jason Q.; CRETE-NISHIHATA, Masashi. One app, two systems: How WeChat uses one censorship policy in China and another internationally. The Citizen Lab, Toronto, 30 nov. 2016.

STEVENSON, Alexandra. Facebook Admits It Was Used to Incite Violence in Myanmar. New York Times. 06 nov 2018. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/11/06/technology/myanmar-facebook.html. Acesso em: 28 de abr. de 2021

Yan Itaboraí da Silva é graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Notas[+]